Você está aqui: Página Inicial / Pastoral / Alimento de Fé / ALIMENTO DA FÉ - 18/12/2018 - Simplicidade de coração

ALIMENTO DA FÉ - 18/12/2018 - Simplicidade de coração

“Todavia, a sabedoria é comprovada pelas obras que são seus frutos”. Mateus 11: 19b.
ALIMENTO DA FÉ - 18/12/2018 - Simplicidade de coração

 

Leia Mateus 11: 11 – 15.

 

Como cristãos precisamos crescer em graça e conhecimento do nosso Senhor Jesus Cristo e desta forma poderemos adquirir um coração onde a simplicidade possa ser uma marca constante.

Jesus neste texto indaga-se a respeito desta geração. Não é comum que Cristo faça a si mesmo uma pergunta. Ele só faz isso quando algo toca seu coração profundamente. Em outro momento vemos Jesus se perguntando como comparar o Reino de Deus e com qual parábola poderia descrevê-lo. Marcos 4:30. 


Neste texto, o coração de Jesus é ferido pela natureza humana perversa, porque tanto João Batista, aquele que veio preparar o caminho, e o próprio Cristo foram rejeitados por muitos, desprezando assim a salvação. Ambos são rejeitados exatamente por razões opostas. 


Nisto vemos claramente a inclinação excessivamente humana para justificar o próprio comportamento vendo pecados onde há somente virtude. Alguém escreveu: "Se eles encontram algo que é obviamente bom, eles logo desconfiam”. Não podem aceitar que a verdade e a bondade muitas vezes não correspondem a lógica humana. É preciso simplicidade.


Simplicidade de Coração O Evangelho, as Boas Novas de Deus, revela a realidade mais dramática: somos livres para rejeitar a Deus. Tudo o que temos de fazer é ceder e seguir à nossa natureza decaída. 
Qual é a cura para este mal? Como podemos evitar rejeitar a Cristo, como a multidão descrita no evangelho, e em vez disso permitir que Seus caminhos sejam o padrão e a inspiração para as nossas vidas? Um desses valores que é fundamental é a simplicidade de coração. Nesta simplicidade de coração aprendemos que nada pode arruinar a esperança que tem como base a pessoa de Cristo. 


Quem não se emociona ao contemplar a pessoa de Cristo, que nasce como uma criança indefesa e se encontra deitado no berço de palha em uma manjedoura para nos libertar?


Alguns olham a criança com desprezo e tentam matá-la; outros passaram olhando com indiferença, sem saber de Sua verdadeira identidade; outros, porém, virão à sua presença e o honrarão e lhe darão presentes. 


Independentemente do nosso comportamento, o coração de Cristo bate por todos nós, cheio de amor, pelas pessoas, por cada um dos nossos irmãos e irmãs. 
Quem pode compreender o que significa o nascimento de Cristo para a vida do ser humano, para a história deste mundo e para a pequena história de cada alma? Nada pode arruinar um raio de esperança porque está se enraíza no coração do próprio Deus.


Precisamos trazer a memória que quando Jesus veio a este mundo, nascendo naquela noite em uma estrebaria, pois não havia lugar para Ele em nenhuma hospedaria em Belém, Seu amor foi tão grande que isto não foi empecilho. A graça se manifestou onde não havia esperança e a dor era algo constante. Uma luz rompeu as trevas trazendo os raios da salvação. O que antes era tristeza foi rompido pela alegria de Deus, que se tornou em força para a caminhada. Um amor que nem o mal e a maldade puderam deter, passou a residir em simplicidade no coração daqueles que se abriram para o Salvador, Jesus.

 

Oração: Senhor, é difícil estar no mundo sem ser do mundo. Por causa das necessidades diárias, muitas vezes esquecemos de todas as graças que já temos recebido de Ti. Nos ajude a ver todas as coisas através dos olhos da fé e a descobrir Sua bondade e amor em todas as situações do cotidiano, na simplicidade. Amém.