Você está aqui: Página Inicial / Pastoral / Alimento de Fé / Alimento de Fé - 06/05/2018 - As aparências enganam

Alimento de Fé - 06/05/2018 - As aparências enganam

“Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês são como sepulcros caiados: bonitos por fora, mas por dentro estão cheios de ossos e de todo tipo de imundície”. Mateus 23: 27.

 

Leia Mateus 23: 27 – 32.

 

Muitas vezes deixamos de ouvir a voz de Deus para ouvirmos o que outras pessoas dizem e assim nos afastamos do viver adequado que aprendemos sendo discípulos de Cristo. 

Por favor: Fortaleça-nos, Senhor, através do seu Espírito Santo, para que não nos conformemos com a mente das pessoas, mas vivamos consistentemente da maneira que você disse aos seus discípulos.

            Todos nós desejamos ser aceitos e apreciados pelos outros. Se, no entanto, esse desejo nos levar a prestar atenção apenas à nossa "imagem" e negligenciarmos a essência da vida cristã, como o amor, a devoção e a nossa comunhão com Cristo, então a vida interior morrerá. E embora mantenhamos a aparência, o que estará no interior será apenas "ossos, sujeira e decadência".

            Qual realmente é o nosso propósito na vida? Jesus nos lembra no texto do Evangelho acima citado que há uma importância absolutamente essencial em nossa vida interior. Pois do nosso interior é revelado o quanto realmente desejamos agradar a Deus, e nos tomar a forma de Cristo como modelo e inspiração para as nossas ações. Revela a quem queremos agradar e se nosso alvo primeiro é o Reino de Deus. Mateus 6: 33. 

            Muitas vezes a nossa a nossa devoção é uma coreografia desprovida de essência espiritual. Nossas orações são discursos vazios ocos de sentido, mas que ocupam muito espaço e não cede lugar para a vontade soberana de Deus. Como diz um antigo adágio popular: “Lata vazia faz mais barulho. Balde com pouca água é fácil de tirar do poço”.  Que nossos corpos não revelem apenas que somos “bonecos de barro”, mas Templo do Espírito Santo. Que não sejamos apenas uma embalagem bonita, mas que revelemos a rica essência que é Cristo em nós. 

            Que não somente haja preocupação com a exterioridade, mas com a expressão de um conteúdo renovado, e que se renova todos os dias.

            É necessário sermos autênticos, sem nenhuma pretensão de aparência, mas sim do desejo de sermos bons exemplos, sermos sal e luz em todos os momentos do nosso viver. 

            Que possamos estar sempre atentos para que a nossa conduta seja condizente com a expressão da nossa fé. Sendo o nosso falar reflexo do falar interior de Deus e que a forma como vivemos seja extensão da vida Plena de Cristo. 

 

Oração: Senhor nos dissestes que o nosso sim e o nosso não precisa proceder de um coração íntegro e sincero. Dê-nos coragem para vivermos desta forma. Continue a nos encher com o Teu amor para que não venhamos ter vergonha do Evangelho e também para não envergonharmos o Seu Evangelho. Amém.

 

Reverendo Silvio de Oliveira

 

Doutor em Teologia com Especialização em Filosofia Clínica