Você está aqui: Página Inicial / Pastoral / Alimento de Fé / Alimento de Fé - 18/10/2018 - O que pode nos separar do Amor de Cristo?

Alimento de Fé - 18/10/2018 - O que pode nos separar do Amor de Cristo?

“Ele, entretanto, lhes afirmou: “Bem profetizou Isaías a respeito de vós, hipócritas; pois assim está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim”. Marcos 7: 6.
Alimento de Fé - 18/10/2018 - O que pode nos separar do Amor de Cristo?

 

Leia Marcos 7: 1 – 23.       

 

            Na vida cristã existem muitos perigos, pois os princípios de Deus são totalmente contrários ao sistema estabelecido neste mundo que jaz no maligno, que embora se esconda atrás de um manto de modernidade, mantêm o mesmo objetivo, nos afastar da presença santa de Cristo.  

            Existem perigos que são reais e outros que imaginamos ser. Jesus não temia nada, pois o que estava em Seu coração era o perfeito amor, que lança fora todo o medo. Ele não teve medo de enfrentar o diabo, no momento da tentação no deserto. Não ficou receoso com a questão da opinião pública, e a repercussão de se opor a um sistema religioso que era mais opressor do que libertador. Enfrentou com ousadia o caminho mais difícil indo até a morte e morte de cruz. Mesmo tendo um momento de extrema agonia, onde as gotas de suor eram como gostas de sangue, não desistiu, pois, a Seu maior desejo era fazer a vontade do Pai Celestial.

            Mesmo enfrentando muitos perigos reais, o Mestre procurou motivar e encorajar Seus discípulos que as adversidades sempre estariam espreitando, procurando uma oportunidade: "Se o teu olho direito te levar ao mal, arranca-o e lança-o fora". Mt 5:29. “Ai daquele que faz tropeçar um desses pequeninos”. Mt 18: 6. "... Cuidado com o fermento dos fariseus ..." (Mt 16,6). "... Satanás vos reclamou para peneirar como trigo” Lc 22: 31. Cristo nos lembra que os perigos reais podem aparecer, então precisamos orar e vigiar.

            Cristo claramente nos adverte, e nossa própria experiência confirma que Deus normalmente não mantém esses perigos longe de nossas vidas. Geralmente, esses perigos permanecerão, sejam eles de fora – "Pai, peço que não os tire do mundo", pois vivemos em um mundo tenebroso. – sejam àqueles que vêm de dentro do nosso coração.

Quando Paulo pediu a Cristo que removesse o “espinho’ de sua carne, o Senhor apenas respondeu: "Minha graça é suficiente para você". II Co 12: 9. Por que Deus foi capaz de permitir esse sofrimento na vida do apóstolo é difícil para nós entendermos. Mas talvez possamos encontrar justificação nas palavras de Cristo neste texto de Marcos. Paulo aprendeu que não era suficiente falar de Jesus aos outros, Cristo precisava ter o primeiro lugar em sua vida. “27Mas esmurro o meu próprio corpo e faço dele meu escravo, para que, depois de haver pregado aos outros, eu mesmo não venha a ser reprovado”. I Coríntios 9: 27.  

Nem os problemas internos nem as dificuldades externas podem nos separar do amor de Cristo. A única coisa que nos afastará do Senhor é o pecado não confessado.  

  

Oração: Senhor, nos ajude a cada dia termos a mente e o coração abertos para com Tua Palavra. Sabemos que existem perigos reais internos e externos que podem nos atrapalhar na caminhada da fé. Por isso Te pedimos que “nos guie pelas veredas da justiça por amor do Teu nome”. Amém.