Você está aqui: Página Inicial / Pastoral / NO CENÁCULO / NO CENÁCULO - 21/12/2017 - COISAS MARAVILHOSAS DEMAIS.

NO CENÁCULO - 21/12/2017 - COISAS MARAVILHOSAS DEMAIS.

Quem é aquele, como disseste, que sem conhecimento encobre o conselho? Na verdade, falei do que não entendia; coisas maravilhosas demais para mim, coisas que eu não conhecia. Jó 42: 3.

 

Leia Jó 42: 1 – 4.   

 

Jó foi um dos homens mais justos da Bíblia, mas, diante de provações insuportáveis, ele amaldiçoou o dia em que nasceu e implorou a Deus a morte. Deus respondeu com uma enxurrada de questionamentos perguntando a Jó se ele sabia o quão vasto era seu poder. Em humildade, Jó percebeu que tinha falado muito rápido de coisas maravilhosas demais para ele compreender.

Meu primeiro “momento Jó” aconteceu quando comecei a faculdade. Antes disso, minha vida tinha sido tão segura. Eu acreditava no que minha família acreditava e fazia o que minha família dizia para fazer. Na faculdade, eu tinha liberdade. Com essa liberdade, veio a incerteza: Qual deve ser meu próximo passo? O que acontecerá se eu escolher a coisa errada? Um dia, eu liguei para minha mãe implorando a ela que me deixasse tirar um ano de folga para eu poder descobrir tudo. A ideia de continuar sem saber o que aconteceria a seguir me deixou ansiosa. Parecia que Deus não estava me ouvindo, e eu me sentia perdida.

Ao ler o livro de Jó, encontrei meu caminho. Jó estava na mesma situação em que eu estava - pedindo respostas a Deus. Jó e eu estávamos fazendo perguntas sobre coisas maravilhosas demais para sabermos. Estou aprendendo que minha incerteza se encaixa em um plano que não consigo entender. Só sei que a vontade de Deus para mim é boa e estou aprendendo que também é suficiente.

 

Oração: Senhor amado, lembra-nos de que teu silêncio não é abandono. Concedemos a graça de confiar a ti as coisas que são maravilhosas demais para compreendermos. Em nome de Jesus. Amém.

 

Pensamento para o dia

 

Mesmo não podendo ver a Deus, posso confiar em teus poderosos cami¬nhos.

 

Oremos pelas pessoas que se sentem abandonadas. Bailey Gerber – Indiana – EUA.